Últimas

Ministério da Fazenda: Pedidos de concursos com 9.289 vagas próximos da liberação

Ministério da Fazenda: Pedidos de concursos com 9.289 vagas próximos da liberação

Ministério da Fazenda: Pedidos de concursos com 9.289 vagas próximos da liberação

logo-mf
Após a liberação do Orçamento da União para 2015, que se deu com a publicação do decreto de programação orçamentária, no fim de maio, o chamado contingenciamento, diversas autorizações de novos concursos e nomeações de aprovados foram expedidas pelo Ministério do Planejamento. E como o aperto anunciado pelo governo não incidiu diretamente na área de pessoal, muitas outras permissões são esperadas até o fim deste ano. Somente o Ministério da Fazenda solicitou para este ano 9.289 vagas em cargos dos níveis médio e superior, com ganhos iniciais variando de R$3.700 a R$16.100. Em alguns casos, são grandes as chances de autorização e, quem sabe, até publicação do edital, ainda este ano.

Entre os destaques estão as 5 mil vagas solicitadas para a Receita Federal (3 mil de analista-tributário e 2 mil de auditor-fiscal) e as 3.500 para a área de apoio do ministério (3 mil de assistente técnico-administrativo e 500 de analista técnico-administrativo). Há, ainda, 430 vagas pedidas para diferentes cargos de nível superior da pasta (contador, médico, engenheiro, pedagogo e analista de TI, entre outros), além das vagas para a Comissão de Valores Mobiliários – CVM (89 vagas) e Superintendência de Seguros Privados – Susep (150, sendo 129 para agente executivo, de nível médio).

Outra grande novidade: a solicitação de 120 vagas para analista de finanças e controle do Tesouro Nacional, cargo de nível superior, com iniciais de R$15.376,70. Se dependesse apenas da vontade do Ministério da Fazenda, as seleções já teriam sido, inclusive, finalizadas. Isso porque o mês de preenchimento proposto ao Planejamento para a maioria das vagas foi maio ou junho deste ano. Há casos em que o provimento foi solicitado para abril (assistente e analista técnico-administrativos) e até mesmo fevereiro (analista em tecnologia da informação). As informações constam no Aviso 164/2014 do Ministério da Fazenda, por meio do qual as seleções foram solicitadas.

banner-mf2

Fazenda: expectativa de até 3 mil vagas para o nível médio
Entre os cargos no âmbito do Ministério da Fazenda com expectativa de abertura de concurso, o que deverá contar com o maior número de chances para os que possuem pelo menos o ensino médio completo é o de assistente técnico-administrativo. Com tradição de oferta de vagas expressiva para o cargo, o ministério solicitou para o novo concurso 3 mil vagas. A remuneração inicial oferecida é de R$3.671,82, já com o auxílio-alimentação, de R$373. Embora a quantidade de vagas efetivamente liberadas dependa da análise que será feita pelo Ministério do Planejamento, são boas as perspectivas de permissão de grande parte do solicitado. Isso porque a demanda é muito maior, de mais de 5 mil servidores, segundo o sindicato da categoria (SindFazenda).

Concurso Ministério da Fazendacomprar-agora

Além disso, de acordo com fontes ligadas à chefia da Receita Federal, que deverá receber a maior parte dos aprovados, a atual gestão deverá priorizar a admissão de servidores administrativos. A distribuição das vagas por localidade, por sua vez, deverá depender de como se dará o aproveitamento dos aprovados no último concurso, aberto no ano passado. O ministério conta ainda com pedido para outras 930 vagas, em cargos de nível superior. Dessas, 500 são para analista técnico-administrativo, que admite graduados em qualquer área. As outras chances esperadas são para contador, médico, engenheiro, psicólogo e matemático, entre outras. Os iniciais são de R$4.884,02, exceto para médico, cujos valores são de R$3.998,42 (carga de trabalho de 20 horas semanais) e R$6.388,64 (40 horas). Todos os valores incluem o auxílio-alimentação, de R$373.

Último edital, conteúdos programáticos e provas aplicadas

Conteúdos Programáticos – ATA/MF 2014
PROVA 1. CONHECIMENTOS BÁSICOS

LÍNGUA PORTUGUESA: 1. Compreensão e interpretação de textos. 2. Ortografia oficial. 3. Acentuação gráfica. 4. Emprego das classes de palavras. 5. Emprego do sinal indicativo de crase. 6. Sintaxe da oração e do período. 7. Pontuação. 8. Concordância nominal e verbal. 9. Regência nominal e verbal. 10. Significação das palavras. 11. Redação Oficial: Manual de Redação da Presidência da República. 12. Redação de correspondências oficiais: documentos oficiais utilizados pelas instituições públicas brasileiras.

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO: Matemática: 1. Numeração; 2. Números naturais: múltiplos, divisores, divisibilidade e restos; 3. M.D.C. e M.M.C.; 4. Números fracionários e Operações com frações; 5. Números Decimais e Dízimas Periódicas; 6. Sistemas de Unidade, Notação Científica e Bases não Decimais; 7. Razões e Proporções; 8. Escalas; 9. Divisão Proporcional; 10. Regra de Três Simples ou Composta; 11. Porcentagem; 12. Teoria dos Conjuntos: Conjuntos Numéricos; Relações, Funções de Primeiro e Segundo Grau; 13. Noções de Probabilidade e Estatística Descritiva; 14. Noções de Lógica; 15. Matemática Financeira; 16. Aplicações e Operações com Inequações; 17. Sequências e Progressões Aritméticas e Geométricas; 18. Operações com Matrizes, Logaritmos, Raízes e Radicais, Fatoração Algébrica; 19. Raciocínio Lógico: Estruturas lógicas, Lógica de argumentação: analogias, inferências, deduções e conclusões, Lógica sentencial (ou proposicional), Proposições simples e compostas, Tabelas-verdade, Equivalências, Diagramas lógicos, Lógica de primeira ordem, Princípios de contagem e probabilidade, Operações com conjuntos, Raciocínio lógico envolvendo problemas aritméticos, geométricos e matriciais.

CONHECIMENTOS DE INFORMÁTICA: 1. Conhecimentos básicos de linguagens de programação relativos a Lógica e Estrutura de programação. 2. Conceitos básicos de Datamining e Datawarehouse. 3. Conceitos básicos de armazenamento de dados. Banco de Dados Relacional. 4. Conceitos básicos sobre a arquitetura e administração de Banco de Dados. 5. Conhecimentos básicos de ambiente de servidores: Estrutura de servidores físicos e virtualizados. 6. Conceito de Computação em Nuvem (Cloud Computing). 7. Conceitos e modos de utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas e apresentações. 8. Conceitos e modos de utilização de ferramentas e aplicativos de navegação na Internet, correio eletrônico, redes sociais, grupos de discussão e de busca. 9. Conceitos básicos sobre ameaças e segurança da informação.

ATUALIDADES: 1. Diversidade cultural, conflitos e vida em sociedade. 1.1. Movimentos culturais no mundo ocidental e seus impactos na vida política e social. 1.2 O debate sobre a legalização das drogas e seu impacto sobre as políticas públicas e sobre a sociedade. 1.3 Tecnologia e educação. 2. Formas de organização social, movimentos sociais, pensamento político e ação do Estado. 2.1. Movimentos sociais na era da internet. 2.2 Conselhos de políticas públicas. 2.3. Instrumentos de participação e controle social. 3. Transformações das estruturas produtivas e influência da economia na sociedade global. 3.1. A globalização e as novas tecnologias de telecomunicação e suas consequências econômicas, políticas e sociais. 3.2. Poder econômico e responsabilidade social. 3.2.1 Norma Brasileira de Diretrizes sobre Responsabilidade Social – ABNT NBR ISO 26000 : 2010. 3.3 Educação e trabalho. 4. Desenvolvimento Sustentável e Administração Pública. 4.1. Origem e evolução do conceito de Desenvolvimento sustentável. 4.2. Questões ambientais contemporâneas: mudança climática, efeito estufa, chuva ácida, biodiversidade. 4.3. A nova ordem ambiental internacional – Rio/92, Agenda 21, Rio + 20. 4.4. O serviço público e os desafios da sustentabilidade: Agenda Ambiental da Administração Pública; Contratações Sustentáveis, Plano de Logística Sustentável.

PROVA 2. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

GESTÃO DE PESSOAS E DO ATENDIMENTO AO PÚBLICO. 1. Desafios da Ouvidoria Pública no Brasil. 2. Carta de Serviços ao Cidadão. Decreto nº 6.932/2009. 3. Lei de Acesso a Informação – Lei 12.527/2011. 4. Aprendizagem e Comportamentos Organizacionais. 5. Comunicação Eficaz. 6. Motivação. 7. Formação e Desenvolvimento de Equipes. 8. Administração de Conflitos e Gestão da Mudança. Clima e Cultura Organizacionais.

ÉTICA DO SERVIDOR NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: 1. Ética e moral. 2. Ética, princípios e valores. 3. Ética e democracia: exercício da cidadania. 4. Ética e função pública. 5. Ética no Setor Público. 5.1. Decreto nº 1.171/1994 (Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal) 5.2. Resoluções 1 a 10 da Comissão de Ética Pública da Presidência da República.

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BRASILEIRA. 1. Conceito de Administração Pública. 2. Princípios da Administração Pública. 3. Hierarquia. Poder Hierárquico e suas Manifestações. 4. Poderes do Estado. 5. Formação e Organização da Administração Pública Brasileira. Concentração. Desconcentração e Descentralização. 6. Decreto-Lei nº 200/1967. 7. O Brasil e sua Administração Pública: Da República velha aos dias atuais. Nascimento e Afirmação da República Brasileira. Aspectos Fundamentais na Formação do Estado Brasileiro. Teorias das Formas e dos Sistemas de Governo. 8. Análise Crítica aos Modelos de Gestão Pública: patrimonialista, burocrático e gerencial. 9. Controle Interno e Externo da Administração Pública. Lei nº 8.443/92. 10. Medidas Organizacionais para o Aprimoramento da Administração Pública 19 Federal. Manual de Orientação para Arranjo Institucional de Órgãos e Entidades da Administração Pública Federal. 11. Manual Técnico de Orçamento- MTO-2014. 12. Processo Administrativo em Âmbito Federal.

REGIME JURÍDICO DOS AGENTES PÚBLICOS. 1. Normas Constitucionais Pertinentes aos Servidores Públicos. 2. Direitos, Deveres e Proibições do Servidor Público e seu Regime Disciplinar. 3. Formas de Provimento e Vacância do Cargo Público. 4. Seguridade Social do Servidor. 5. Lei nº 8.429/1992: Disposições Gerais, Atos de Improbidade Administrativa. 6. Decreto nº 7.203/2010. 7. Decreto-Lei nº 2.848/1940: Artigos 153; 296; 311-A/337-A e 359-A/359-H.

Concurso Ministério da Fazendacomprar-agora

CVM e Susep
Autarquias federais com sede no Rio de Janeiro, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) deverão trazer grandes oportunidades para os que residem na capital fluminense. Juntas, as duas possuem pedido de autorização de concursos para 239 vagas, sendo 129 só para agente executivo, cargo com requisito de ensino médio completo e ganhos iniciais de R$5.549,43, além de estabilidade. São 60 para a Susep e 69 para a CVM. A tendência de muitas vagas no Rio de Janeiro é reforçada pelo histórico das duas autarquias. Nas últimas seleções promovidas por elas, cerca de 90% das vagas foram para a cidade (44 de um total de 50, no caso da CVM, e 42 de 46, no da Susep). “Acho que pelo menos dois (das vagas) terços ficariam aqui no Rio”, afirmou o presidente interino do Sindicato Nacional dos Servidores da Susep (SindSusep), Ítalo Teixeira Viana. Além do Rio, a Susep possui unidades em São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre, e a CVM, em São Paulo e Brasília.

No último concurso para agente executivo da CVM, em 2010, as provas (objetivas e discursivas) foram sobre Língua Portuguesa, Conhecimentos Contemporâneos, Estrutura do Mercado de Valores Mobiliários, Conhecimentos Básicos de Administração e Administração Pública. No caso da Susep, o último concurso foi em 2006, havendo apenas provas objetivas de Lingua Portuguesa, Informática, Matemática, Contabilidade, Direito Administrativo e Técnica de Seguro e Resseguro. Para os graduados, são esperadas 90 vagas de analista técnico da Susep, cujo requisito é o ensino superior completo em qualquer área. No caso da CVM, são abertos a quaisquer graduados os cargos de inspetor, para o qual foram pedidas seis vagas, e as de analista na área de Mercado de Capitais, que deve concentrar a maioria das 14 vagas solicitadas. Em todos esses casos, os iniciais são de R$15.376,70 (as remunerações incluem R$373 de auxílio-alimentação).

Agente executivo da Susep: veja programa anterior

CONHECIMENTOS BÁSICOS
LINGUA PORTUGUESA: 1. Compreensão Textual. 2. Ortografia. 3. Semântica. 4. Morfologia. 5. Sintaxe. 6. Pontuação.
INFORMÁTICA: 1. HARDWARE: Noções Básicas da arquitetura de um microcomputador. 2. SOFTWARE: MS Windows 95/98/ME/2000/XP, em português; MS WORD 2000; MS EXCEL 2000; MS POWER POINT 2000; INTERNET EXPLORE e correio eletrônico (MS OUTLOOK 20000).
MATEMÁTICA: 1. Conjuntos: definição, operações. 2. Números: naturais, inteiros, racionais e reais. 3. Adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação e radiciação. 4. Divisibilidade: Mínimo Múltiplo Comum e Máximo Divisor Comum. 5. Números fracionários e números decimais, dízimas periódicas. 6. Média aritmética simples e ponderada. 7. Equações do 1º grau. 8. Razão e proporção. Regra de três: simples e composta. 8. Porcentagem. Juros. 9. Análise combinatória. Probabilidade.

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
CONTABILIDADE: 1. Contabilidade Geral: conceito e campo de atuação; Patrimônio e suas variações; Escrituração: Métodos, Diários, razão e Livros Auxiliares; Fatos Contábeis; Registro de Operações Mercantis e de Serviços; Ajustes e Levantamento de Demonstrativos Financeiros. 2. Legislação: Lei nº 4.320, de 17/3/1964; Decreto nº 93.872, de 23/12/1986.
DIREITO ADMINISTRATIVO: 1. Conceito, objeto e fontes do Direito Administrativo. 2. Princípios constitucionais do Direito Administrativo Brasileiro. 3. Organização Administrativa da União. Administração direta e indireta. Autarquias. Fundações públicas. Empresas públicas. Sociedades de economia mista. Entidades paraestatais. 4. Agentes públicos. Servidores públicos. Organização do serviço público. Normas constitucionais concernentes aos servidores públicos. Direitos e deveres dos servidores públicos. Responsabilidades dos servidores públicos. O Regime Jurídico Único. Código de Ética do Servidor Público Federal. 5. Poderes administrativos. 6. Licitação e Contratos da Administração Pública: Lei nº 8.666/93 e suas alterações. Decreto nº 3.555/2000 e suas alterações. Lei nº10.520/2002 e suas alterações (Pregão). 7. Controle da Adminisrtação Pública. Responsabilidade do Estado.
TÉCNICA DE SEGURO E RESSEGURO: 1.Operações de Seguro, Resseguro e Cosseguro. Conceitos básicos. Definição, finalidade e características gerais. O contrato de seguro. Seguros facultativos e obrigatórios. Condições gerais e especiais do seguro. Instrumentos. Mutualismo. 2. Elementos essenciais da operação de seguro e resseguro. Os sujeitos da operação de seguro e resseguro. Risco. Prêmio. Sinistro e Indenização, Ressarcimento e Franquia. 3. Estrutura técnica da operação de seguro. Seguros proporcionais e não proporcionais ou a risco absoluto. Mecanismo de Segurança: Cosseguro e Resseguro. 4. Ramos de Seguro. Modalidades de Coberturas: cobertura básica e adicional. Seguro Automóvel; cobertura básica e franquia. Seguro de Responsabilidade Civil: responsabilidade civil geral, facultativo de veículos automotores/RCF-V e obrigatório do transportador rodoviário – carga/RCTR-C. Acidentes Pessoais Passageiros. Seguros de Vida Individual e em Grupo. Seguro Garantia. Seguro Incêndio. 5. Previdência Complementar Aberta. Benefícios por morte, invalidez e sobrevivência. 6. Seguro Fiança Locatícia (Aluguel) 7. Estrutura técnica das operações de Cosseguro e Resseguro. Tipos de contratos de Cosseguro e Resseguro.

Agente executivo: veja programa anterior
LÍNGUA PORTUGUESA: Compreensão Textual. 2. Ortografia. 3. Semântica. 4. Morfologia. 5. Sintaxe. 6. Pontuação.
CONHECIMENTOS CONTEMPORÂNEOS: 1. O mundo de 1870 a 1945: as transformações nas economias européias: do capitalismo liberal ao monopolista; a política imperialista: América Latina, África e Ásia. 2. A crise da sociedade liberal: guerras mundiais, revoluções sociais e fascismos; a Grande Depressão de 1929 e a experiência americana. 3. O Brasil da monarquia à república (1870 – 1939): a transição do trabalho escravo para o trabalho livre; origens da indústria e da classe operária; a crise da monarquia: república federalista e coronelismo; literatura, política e pensamento social no Brasil. 4. Brasil: a crise dos anos 20 e o movimento de 1930; a implantação das indústrias de base, a crise da economia agroexportadora e a política trabalhista; o Estado Novo e seus projetos. Corporativismo, leis trabalhistas e sindicalismo. 5. A sociedade capitalista. Os anos 50: a guerra-fria e a bipolaridade; imperialismo, descolonização e neocolonialismo. 6. A construção e crise do socialismo: o modelo soviético; a China, do socialismo ao socialismo de mercado. 7. O Brasil entre 1945 e 1964: da economia brasileira da Segunda Grande Guerra ao desenvolvimento dos anos JK; a crise econômica dos anos 60 e as reformas de base; 1964-1985: capitalismo e autoritarismo; a construção e a crise do milagre econômico. 8. O Brasil da Nova República: a Constituição de 1988; a crise econômica brasileira dos anos 80 e 90; cultura e arte no Brasil moderno. História e Cultura Afro-Brasileira. 9. As disputas geopolíticas da atualidade; os conflitos étnicos, a questão das nacionalidades e intolerância religiosa; a questão islâmica; neoliberalismo, globalização e grandes conjuntos socioeconômicos do mundo contemporâneo; organizações mundiais e grandes conglomerados. 10. Recursos naturais e o aproveitamento socioeconômico; a produção/reprodução do meio ambiente como ação humana; estratégias de uso, conservação e recuperação das condições ambientais. 11. O processo desenvolvimento/subdesenvolvimento e seus indicadores; divisão internacional do trabalho e suas transformações; fluxos comerciais e financeiros. 12. A população mundial: indicadores socioeconômicos; crescimento e transição demográfica; estrutura etária; os setores de atividade econômica e a distribuição da população; movimentos migratórios e seus impactos. 13. População no Brasil: processo de formação; dinâmica do crescimento e suas implicações; indicadores socioeconômicos; estrutura etária e a transição demográfica; distribuição por atividades econômicas; movimentos migratórios internos e externos – regionais e internacionais, e a distribuição territorial da população; urbanização e metropolização.
ESTRUTURA DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL E A CVM: 1. Sistema Financeiro Nacional: bases, funções, estrutura e funcionamento. 2. Mercado financeiro e de capitais: importância econômica. 3. Regulação e auto-regulação do mercado de valores mobiliários. 4. CVM: constituição, atribuições, competência, organização e funcionamento. 5. Agentes de Mercado: Bancos múltiplos, de Investimento, Sociedades Corretoras, Distribuidoras, Bolsas de Valores, de Mercadorias e de Futuros, Balcão Organizado, Entidades de Compensação e Liquidação, Instituições Custodiantes, Emissoras de Valores Mobiliários Escriturais, Emissoras de Certificados e Agentes Autônomos. 6. Companhias Abertas: conceito; registro; política de divulgação de informações. 7. Valores Mobiliários: conceito e especificidade em relação a outros títulos. A distribuição dos valores mobiliários no mercado. 8. Mercado primário e secundário. Principais características dos mercados de balcão, balcão organizado e de bolsa. 9. Globalização do mercado de valores mobiliários. 10. Legislação do mercado de valores mobiliários: leis n° 6.385/76, 6.404/76 e alterações posteriores.
CONHECIMENTOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO: 1. Administração. Conceito. Funções (planejamento, organização, direção e controle). Produtividade, eficiência, eficácia e efetividade. 2. Planejamento estratégico, tático e operacional. Características, técnicas, ferramentas. Relação organização – ambiente. 3. Estruturas organizacionais e organogramas: características, tipos, vantagens e desvantagens. 4. Liderança: tipos de abordagens. Poder e influência. Comunicação. Habilidades interpessoais. Trabalho em equipe. 5. Controle. Importância e fundamentos. Processo de controle. Instrumentos e ferramentas de controle do desempenho da organização. 6. Temas contemporâneos da Administração. Qualidade Total, Reengenharia. Downsizing. Gestão do Conhecimento. 7. Gestão de documentos. O ciclo vital dos documentos: arquivos correntes, intermediários e permanentes. Métodos de classificação dos documentos. Preservação de documentos.
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: 1. Conceitos, elementos e poderes do Estado. Organização do Estado e da Administração. Governo e Administração Pública. Princípios da Administração Pública. 2. Entidades políticas e administrativas. Natureza Jurídica e Características. Espécies da Administração Indireta. Características. Regime Jurídico, classificação e espécies. 3. Organização Administrativa Brasileira. Órgãos e Entidades da Administração Federal. Natureza e competências. Princípios e Instrumentos. 4. Poderes e deveres do administrador público. Poderes Administrativos (vinculado, discricionário, hierárquico, disciplinar, regulamentar e de polícia). Características e formas de atuações. 5. Atos administrativos. Conceito, requisitos, elementos, atributos, classificação, espécies. Anulação e Revogação. 6. Processo Administrativo – Lei nº 9.784/99. 7. Código de Ética do Servidor Público Federal – Dec. 1.171/94.

Receita Federal: pedido é de 5 mil vagas para graduados

Os interessados em trabalhar na área fiscal deverão encontrar uma boa oportunidade muito em breve no setor fazendário federal. Há pedido de autorização sendo analisado no Ministério do Planejamento, visando à realização de concurso com até 5 mil vagas, sendo 3 mil de analista-tributário e 2 mil de auditor-fiscal. Ambos os cargos são abertos a quem possui o ensino superior em qualquer área e garantem ganhos iniciais de R$9.629,42 (analista) e R$16.116,64 (auditor), incluindo auxílio-alimentação, de R$373, além de estabilidade (regime estatutário). Em audiência pública realizada no Congresso Nacional, em dezembro do ano passado, o coordenador-geral de Gestão de Pessoal da Receita, Francisco Lessa, ressaltou que a carência de pessoal torna necessário um novo concurso ainda este ano, mesmo com a nomeação de 272 excedentes do concurso do ano passado, efetiva no último dia 3. “Precisaremos, sim, realizar um novo concurso em 2015. Uma providência não exclui a outra, porque a necessidade é muito maior”, frisou.

No caso de analista, a última seleção aconteceu em 2012 e, mesmo tendo sido chamados todos os aprovados (incluindo os excedentes), não foi possível suprir a demanda existente, como afirmou a presidente do sindicato da categoria (Sindireceita), Sílvia Felismino (veja a matéria completa na última página desta edição). Já o sindicato dos auditores (Sindifisco) alerta para a saída, em média, de cerca de 600 servidores por ano, apenas por aposentadoria. A taxa de ocupação dos cargos existentes nas duas categorias é de cerca da metade das vagas existentes ou menor.

Especialista orienta escolha dos concurseiros

Diante de tantas oportunidades à vista, a primeira coisa que o concurseiro precisa fazer é escolher a qual ou as quais delas pretende se dedicar. E a tarefa não é tão simples, como explicou o especialista Paulo Estrella, diretor pedagógico do curso preparatório Academia do Concurso. O passo número 1, indicado por ele, é decidir se concorrerá a cargos de nível médio ou de nível superior. “A estratégia de estudos é bastante diferente, dependendo da escolha”, frisou. Segundo Estrella, quando o concurseiro opta por participar de concursos para cargos de nível médio, ele acaba fazendo opção por estudar um volume de disciplinas menor. Porém, essa facilidade acaba atraindo um número muito grande de concorrentes. “O inimigo de quem estuda para um concurso de nível médio é a quantidade e qualidade da concorrência”, explicou ele. “Nesse caso, o estudo deve ser mais minucioso, já que ao errar uma questão, o candidato pode sair da área de classificação.”

Já para os cargos de nível superior, os conteúdos programáticos costumam ser mais extensos. O diretor da Academia do Concurso observou também que, nesse nível de escolaridade, a qualidade da concorrência é diretamente proporcional ao valor da remuneração. “Quanto mais alta, maior é a quantidade de interessados e maior o tempo que estes interessados estão estudando”, avaliou, acrescentando que um fator que reduz muito a concorrência é a exigência de uma formação específica. “A concorrência é garantidamente muito menor se exigirem um curso superior específico, como contador, administrador, pedagogo ou qualquer outra formação”, exemplificou.

Na sequência, orientou Estrella, é necessário definir a área de atuação para a qual deseja concorrer, o que trará, inclusive, uma melhor relação custo/benefício. “Quando se estuda para uma área de concursos, o candidato estará estudando para vários concursos com o mesmo esforço, pois a maioria das disciplinas é a mesma. Um exemplo disso é a similaridade do que é cobrado na prova de auditor-fiscal e na prova de analista da Receita Federal”. Seguindo essas dicas, será possível obter uma preparação adequada, com esforço reduzido, garantiu o especialista. “Definindo o nível de escolaridade e área de concurso, o candidato pode iniciar a preparação com todas as informações necessárias, para atingir sua aprovação, com o devido esforço pessoal”, afirmou.

Ajuste fiscal pode favorecer concurso da Receita Federal
O cenário ruim na economia do país é um dos fatores que pode contribuir para a autorização do concurso da Receita Federal, já que a admissão de novos analistas e auditores traz um potencial de melhoria nos índices de arrecadação. Os níveis do recolhimento de tributos federais têm sido motivo de preocupação do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que conduz o processo de ajuste fiscal do governo. A presidente do Sindicato Nacional dos Analistas Tributários da Receita, Sílvia Felismino, criticou o fato de, até o momento, o ajuste estar sendo feito por meio do aumento de alíquotas e retirada de direitos da população. Ela destacou que o aumento da arrecadação tem que se dar por meio da contratação de mais servidores para a Receita. “E esse aumento do número de servidores não pode ser encarado como despesa, e sim como investimento, porque o que se perde em prescrição, sonegação, é um absurdo”, lamentou a sindicalista. “Dá para pagar a contratação desses analistas e mais o dobro deles com folga.”

Sílvia Felismino observou que se a realização de um novo concurso para auditor é urgente, como já pontuou o coordenador-geral de Gestão de Pessoas da Receita, Francisco Lessa, a de uma nova seleção para analista é ainda mais. “Estamos sem concurso desde 2012. E mesmo tendo chamado todos os excedentes, não foi atendida à demanda”, disse ela, alertando ainda para a existência de uma grande evasão de servidores que ingressam em órgãos de fiscalização estaduais. E uma peculiaridade do cargo de analista é que muitos dos que são aprovados no concurso para auditor da Receita são provenientes da carreira. Alguns dos 272 nomeados no último dia 3 para o cargo de auditor, no âmbito do concurso do ano passado, eram analistas-tributários e contribuirão para aumentar os claros na carreira.

A solicitação de 3 mil vagas para o novo concurso foi considerada ousada pela presidente do Sindireceita, tendo em vista o atual panorama econômico. E embora considere uma missão difícil a aprovação integral da proposta, ela destacou a importância do pedido. “O governo quer inverter a pirâmide existente hoje dentro da carreira. Aumentar o número de analistas e reduzir o número de auditores”, disse a sindicalista, avaliando, no entanto, que seja como for, a nova seleção não irá suprir a necessidade do órgão.

Com informações da Folha Dirigida.

logo5


https://agoraead.wordpress.com/2015/07/09/ministerio-da-fazenda-pedidos-de-concursos-com-9-289-vagas-proximos-da-liberacao/
https://agoraead.wordpress.com/feed/

Powered by WPeMatico

Sobre o autor | Website

Baixe agora nosso aplicativo de vagas de emprego!
Seja avisado sempre que sair uma nova vaga

Clique aqui para Baixar
100% Grátis - Disponível para Android

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!